• Um ecoponto em cada casa”: Distribuição de ecopontos domésticos pela população

    Proponente: José Miguel Simões Correia


    Freguesia: Miranda do Corvo


    Não há Planeta B!Talvez esta seja a frase mais proferida nos últimos tempos numa lógica devassa da necessidade de consciencializar as gerações não só as vindouras mas essencialmente as passadas para uma estratégia básica de defesa do meio ambiente. Somos os principais responsáveis pela destruição do meio ambiente numa clara arrogância de que os recursos não são finitos e de que este planeta é nosso por direito sem a mínima capacidade de defender a sustentabilidade do mesmo para os jovens do futuro. Seja o aumento da poluição nas grandes cidades e por conseguinte o aumento dos gases com efeito de estufa a poluição dos rios com resíduos e o flagelo dos plásticos nos oceanos ameaçando a vida marinha seja a progressiva desflorestação que destrói os “pulmões” da Terra são muitos os exemplos da mão do Homem na destruição da fauna e da flora. Mas é com os pequenos gestos que fazemos realmente a diferença.A reciclagem pretende aumentar a quantidade de resíduos encaminhados para separação e tratamento promovendo a sua reutilização e ao mesmo tempo reduzindo a quantidade encaminhada para aterro sanitário contribuindo para a redução de emissões dos Gases com Efeitos de Estufa responsáveis pelas alterações climáticas e promover a desejada sustentabilidade ambiental! Neste âmbito a Comissão Europeia pretende impulsionar a economia circular estimulando a reciclagem nos Estados-Membros tendo traçado como metas para 2030 atingir 70 por cento de reciclagem dos resíduos municipais e 80 por cento dos resíduos de embalagens bem como proibir o depósito de resíduos recicláveis em aterros a partir de 2025.Cada vez mais assistimos a um novo paradigma nas escolas quanto ao ensino da reciclagem da defesa do meio ambiente e da sustentabilidade do nosso planeta. Contudo a educação também começa em casa sendo essencial mobilizar todas as gerações para esta necessidade. Mudar alguns hábitos incorporando pequenas atitudes que envolvam consciência ambiental pode ter um grande impacto na preservação do meio ambiente.Neste sentido esta proposta apresenta um plano de distribuição de ecopontos domésticos pelos munícipes mirandenses visando incentivar hábitos quotidianos de separação consciente de resíduos apelar à co-responsabilização da população acerca da correta gestão dos mesmos e levando-os a participar activamente no aumento da percentagem de resíduos enviados para reciclagem. Assim sugiro a distribuição de ecopontos com capacidade de 25 litros e três compartimentos de forma a facilitar a compartimentalização dos resíduos sendo estimado que a verba do OPJ permita a compra de cerca de 7000 ecopontos deste modelo. Para o cálculo desta estimativa recorremos à consulta do Portal dos Contratos Públicos onde consta um procedimento de aquisição de serviços semelhante com um contrato de 40 mil euros para a produção de 14 mil ecopontos. A entrega dos ecopontos disponível para munícipes de todo o concelho poderia ser concretizada também através das escolas apelando às diferentes gerações uma acção conjunta com vista ao mesmo objetivo: preservar o planeta.

  • Campanha de esterilização de animais de companhia

    Proponente: Joana Marçalo de Paiva


    Freguesia: Miranda do Corvo


    Na impossibilidade de preencher este campo com a descrição da proposta - aviso contém caracteres não permitidos - a mesma será enviada em anexo bem como via e-mail.

  • Vespa asiatica

    Proponente: Eduardo Miguel de Sousa Caetano


    Freguesia: Miranda do Corvo


    Combate da Vespa asiática

    Documentos para Download

  • Sensibilizar toda a população para a utilização de sacos reutilizáveis com vista a reduzir a produção de resíduos especialmente o plástico.

    Proponente: Alexandra Filipa Mateus Francisco


    Freguesia: Miranda do Corvo


    A presente proposta visa auxiliar à redução do uso do plástico no comércio local sensibilizando para a utilização de sacos reutilizáveis. Mais concretamente proponho a distribuição de sacos de pano pelos comerciantes locais com especial ênfase nas padarias e nos mini e supermercados – incentivando a troca dos sacos de plástico leves utilizados para a venda do pão e para as compras por sacos de pano.O objetivo desta iniciativa é sensibilizar para a redução da utilização do plástico tornando as embalagens reutilizáveis e amigas do ambiente. Apesar das tentativas legislativas neste sentido - com a taxa dos sacos de plástico leves por exemplo - muitas pessoas continuam a adquirir este tipo de sacos descartáveis. Portugal é um dos países da Europa onde mais sacos de plástico são utilizados muitos apenas por uma vez. A produção transporte e tratamento destes resíduos consome muitos recursos além de que no lixo tendem a ser misturados com outros resíduos. Saliento que os sacos de plástico são o 2º resíduo mais encontrado à superfície do mar sendo uma das maiores causas de poluição dos oceanos. Até 2030 a União Europeia deve reciclar cerca de 55 por cento do plástico.. Para tal a Comissão Europeia incentiva a que cada pessoa não consuma mais de 90 destes sacos por ano até ao fim de 2019 reduzindo até 2025 para um número não superior a 40 sacos por pessoa por ano.Uma vez que reciclar já não está a ser suficiente devemos cada vez mais evitar o plástico de uso único como os referidos sacos leves mas também palhinhas copos e talheres descartáveis. Assim esta medida contribuiria para esse objetivo sensibilizando a população para esta necessidade ao mesmo tempo que poderia auxiliar os comerciantes a fazer esta transição – tendo consciência de que os sacos de plástico são mais económicos do que sacos reutilizáveis – e ainda a promoção da imagem do concelho enquanto marca de sustentabilidade e responsabilidade social.Para que possamos ser cada vez mais amigos do ambiente sondei uma empresa acerca da produção de sacos de pano para o pão tendo-me sido fornecido um orçamento de cerca de 070€ por unidade. Considerando a verba destinada a este projeto seria possível gastar por exemplo 12.500€ na produção de cerca de 17.500 sacos para o pão e utilizar o restante para a produção de sacos de pano para as compras a distribuir pelos comerciantes locais.Freguesia: Todo o Concelho.